Fotografando em São Roque

Às vésperas de um final de semana chuvoso, me propus o desafio: fotografar uma cidade desconhecida.  No mesmo instante, busquei uma próxima a São Paulo com atrativos turísticos, não muito badalada e consequentemente sem muitos visitantes se acotovelando pelas ruas.

Com esses requisitos em mente, escolhi São Roque e sem demora estava na estrada rumo ao meu destino que foi alcançado no fim da tarde.

Com a ajuda do Trip Advisor, mapeei os pontos que poderiam me render boas fotos e o primeiro foi a Igreja Matriz.

matriz

A igreja foi construída na praça onde originalmente havia uma capela erguida, no século XVII pelo bandeirante Pedro Vaz de Barros, em devoção a São Roque.

matriz

De volta ao hotel, decidi que meu ponto de partida no próximo dia seria a cascata do Rio Carambeí.

No dia seguinte, percebi que definir meu ponto de partida foi mais fácil do que encontrá-lo, mas com a ajuda de populares, cheguei ao parque Villa de São Roque que abriga a trilha.  Como ponto de referência, saiba que ele fica ao lado do estádio de futebol.

villa

Nesse ponto, comecei a perceber que a cidade é muito bem cuidada e limpa.  Um lugar aprazível para passear; tanto que havia muitas famílias andando pelo parque.

Estando no local correto, foi fácil encontrar a entrada da trilha que, conforme informavam os relatos de outros visitantes, era uma passarela de madeira.  De fato o caminho existia, mas tinha tanto limo que transformava uma caminhada fácil em uma aventura de equilíbrio.

carambei

Vencido o tobogã, foi a oportunidade para fazer algumas fotos da cachoeira e caso você esteja pensando num mergulho, fica o aviso: além de não ser muito acessível, a água me pareceu suja.

carambei

 

São Roque é conhecida como a terra do vinho, tendo sido fundada numa fazenda vinicultora.  De fato, há várias vinícolas na cidade que podem ser visitadas pelo turista.

vinho

 

Da Villa São Roque, parti para uma antiga estação de trem da Estrada de Ferro Sorocabana, datada do século XIX (entre 1872 e 1875).

Novamente encontrei um monumento bem cuidado que hoje dá espaço a uma base da Guarda Civil Metropolitana e não mais opera como estação ferroviária.

A primeira coisa que me chamou a atenção, foi uma caixa d’água onde subi para fazer uma panorâmica.  Quando cheguei lá em cima, as rajadas de vento balançavam a estrutura que tinha as bases dos corrimãos enferrujadas.  Me pareceu mais prudente descer, mas não antes de fazer pelo menos um selfie.

estacao

 

Finalizando o passeio, no domingo, fui à Brasital, uma das primeiras indústrias têxteis do Brasil que funcionou até meados dos anos 1970.  Hoje o espaço abriga um pequeno centro cultural, biblioteca e dois teatros onde outrora funcionaram os galpões da tecelagem.  Infelizmente o estado de conservação da estrutura é muito ruim.

brasital

 

A sensação da abandono paira no ar, mas também a energia de todas as almas que um dia passaram por aqui e construíram a história desse lugar.

brasital

 

Visite minha galeria do Flicker com mais fotos de São Roque.

 

 

Tags , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Uma resposta para Fotografando em São Roque

  1. Monica ZacconiMonica Zacconi diz:

    Muito legal essa combinação de fotografia e lugares históricos !!! Às vezes, uma simples imagem pode dizer mais sobre a história do que a própria história. Ajuda a testemunhar o passado.. Verdade.. Conhecimento … E cultura. São as palavram que vêm à mente. Primo, suas fotos tiram o observador do lugar comum.

Deixe uma resposta